quinta-feira, 23 de outubro de 2014

A(s) Crise(s) do Cristianismo(s).....

Será que existe uma crise no cristianismo na atualidade? 

Penso que sim. 

Mas especificamente qual seria? Bem possivelmente não há apenas uma causa, mas algumas, e poderíamos listar entre as principais, o modernismo e o relativismo, a falta de conhecimento bíblico entre os que professam a fé cristã, as várias igrejas neo-pentecostais com suas teologias da prosperidade e confissão positiva, a falta de disposição dos crentes em serem mais atuantes e deixarem de serem coniventes com denominações que professam um falso cristianismo, a baixa formação dos pastores ( estou falando daquela minoria que frequenta ou frequentou um seminário.) e a visão de um cristianismo atuante pelo exemplo de ação e fraqueza de discurso e não menos importante a falta de uma espiritualidade ortodoxa sadia e por fim a falta de investimento em pessoas por parte das igrejas evangélicas. 

Pretendo nos próximos posts atacar cada um destes itens no sentido de avaliar a profundidade destes problemas, suas consequências e as possíveis correções de rumo.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

A (im)possível aproximação entre Ciência e Religião.

A aproximação entre a ciência e a religião é problemática para todas as religiões ? Pessoalmente penso que não, mas para o cristianismo em específico sim. 

Esta semana assisti a conferência Ciência e Religião: Questões históricas e filosóficas, proferida pela Dr. Hilary Marlow, diretora de cursos do Instituto Faraday para Ciência e Religião (AQUI) e professora afiliada à Faculdade de Teologia da Universidade de Cambridge (AQUI), que explanou em torno de uma hora sobre a história do relacionamento entre religião e a ciência, e religião aqui, refere-se majoritariamente ao cristianismo, mostrando os principais pontos de conflitos e algumas questões relevantes do embate da fé com a ciência. De forma geral a conferência não trouxe grandes novidades e o tempo tanto para a conferência quanto para o debate foi muito pequeno para um tema tão complexo, sendo que as questões filosóficas do assunto pouco foram tocadas. 

O momento alto da conferência foi o debate que na verdade se resumiu a questões levantadas pelo público, nem todos conseguiram externar suas dúvidas uma vez que havia um tempo para encerrar o evento, eu por exemplo não consegui fazer a pergunta que gostaria, e que posteriormente meditando enquanto aguardava minha esposa vir buscar-me no campus, penso ter respondido. 

Bom, como qualquer debate que fale sobre ciência e religião, novamente insisto, principalmente se a religião em maior evidência for o cristianismo, vem a tona a pergunta sobre o evolucionismo, como conciliar a teoria evolucionista e o cristianismo? Aqui é que está o calcanhar de Aquiles. Em determinado momento ouvi dizerem que a maioria dos cristãos já são evolucionistas....bom tenho minhas dúvidas com relação a isto, porém o sentimento é de que o diálogo entre a ciência e o cristianismo teria que superar esta barreira, o evolucionismo, claro com a aceitação do evolucionismo pelos cristãos....

A pergunta que ficou martelando na minha cabeça foi : Se aceitarmos o evolucionismo teremos que reformular toda a teologia cristã e em outras bases! Nossa hermenêutica tem que ser refeita, aliás a hermenêutica e a exegese histórico-crítica tem que ser lançada fora e substituída por uma hermenêutica tipológica, lançando mão de analogias para justificar textos bíblicos.... se quisermos manter um resquício de religião, caso contrário, apenas estudar a bíblia como um livro da história de uma religião sem relevância na atualidade, a não ser por algumas questões éticas.

Explico, penso que ao assumirmos o evolucionismo fragilizamos toda a base do cristianismo, em primeiro lugar, é claro que teríamos que considerar o relato da criação como mito, perceba que não estou dizendo mito como sendo uma história inventada, mas como uma explicação simbólica de uma era em que não se tinha os "conhecimentos" atuais... bem desta forma a bíblia deixa de ser a revelação de Deus à humanidade mas a interpretação do ser humano da criação em determinado momento histórico.  OK, então não houve a criação como está relatado nas Escrituras... logo Adão e Eva também não, claro, logo esta história de pecado original... mito, nada disso, a ciência não dá a mínima abertura para isso... bom então sem criação, sem queda, sem pecado original.... logo sem necessidade do sacrifício vicário de Cristo! Toda a teologia terá que ser reinterpretada, ou melhor toda a teologia é anulada. A teologia liberal começa nas faculdades de filosofia e ciências... Bem minha conclusão, que pode estar errada é claro, é que, quem aceita o evolucionismo não crê no cristianismo histórico/ortodoxo. Não tem como. Se alguém conseguir me provar ao contrário, estou aberto à argumentações. 

Sempre quando se vai falar de aproximações entre ciência e religião normalmente isto implica em perdas para a religião, não digo na questão de um cientista aceitar que exista um Deus, isto ele até pode concordar e se intitular como espiritualista, mas aceitar o cristianismo com suas consequências, isto representa abrir mão de alguns dogmas da ciência e isto pouquíssimos fazem. 

Se realmente quisermos ser honestos penso que só há duas alternativas: ou mantemos o cristianismo histórico e aceitamos o criacionismo ou aceitamos o evolucionismo e declaramos que temos que  reformar toda a teologia cristã!. Não há meio termo.

Amo a ciência, foi uma das minhas primeiras paixões, comprava desde o lançamento a Ciência Hoje, a Superinteressante (quando era uma boa revista) e atualmente assino a Scientific American , a primeira universidade que ingressei com 17 anos foi de matemática (se bem que não concluí...) já li muito sobre física e astrofísica, e posso afirmar que tenho um conhecimento das ciências relativamente competente. Minha tese de dissertação de mestrado versa sobre biologia sintética e estou me enfronhando em leituras sobre DNA, RNA, DNA Recombinante, etc..., mas não posso abrir mão da minha fé, foi a experiência mistica do encontro com Cristo que me transformou, e é ela que me mantém em pé ainda hoje. 

Se a aproximação entre a ciência e a religião significar abrir mão dos fundamentos da fé, eu abro mão dos dogmas da ciência e mantenho a minha fé. Amém.

Soli Deo Glória.







domingo, 12 de outubro de 2014

Alienação e o homem moderno....

Fazendo a leitura da Teologia Sistemática de Paul Tillich, deparei-me com a questão da alienação como hybris, conceito esse muito profundo e bem explorado pelo autor.
 Mas o que me leva a escrever é um texto que encontrei no livro de C. G. Jung, “Psicologia e Religião Oriental”, onde Jung faz sua análise comparando os conceitos entre o pensamento religioso Ocidental e Oriental, e citando Kierkegaard, afirma (1):

“(...) “o homem está sempre em falta diante de Deus”. O homem procura conciliar os favores da grande potência mediante o temos, a penitência, as promessas, a submissão, a auto-humilhação, as boas obras e os louvores. A grande potência não é o homem, mas um totaliter aliter, o totalmente outro, absolutamente perfeito e exterior, a única realidade existente. Se modificarmos um pouco a fórmula e em lugar de Deus colocarmos outra grandeza, como por exemplo, o mundo, o dinheiro, teremos um quadro completo do homem ocidental zeloso, temente a Deus, piedoso, humilde, empreendedor, cobiçoso, ávido de acumular apaixonada e rapidamente toda a espécie de bens deste mundo tais como riqueza, saúde, conhecimento, domínio técnico, prosperidade pública, bem-estar, poder político, conquistas etc. Quais são os grandes movimentos propulsores de nossa época? Justamente as tentativas de nos apoderarmos do dinheiro ou dos bens dos outros e de defendermos o que é nosso. A inteligência se ocupa principalmente em inventar “ismos” adequados para ocultar seus verdadeiros motivos para conquistar o maior número possível de presas.”

Jung faz uma descrição que não há como negar representa o homem moderno ocidental, e o que é pior ainda, muitas vezes parece com o típico evangélico que encontra na acumulação e demonstração destas conquistas como bênçãos de Deus. Mas Jung fala de uma substituição da “grande potencia” pelo mundo ou dinheiro. Apesar dos conceitos diretos ou indiretos não serem em tese os mesmos, não fica difícil de fazermos aqui uma ponte com relação ao conceito de alienação de Tillich, quando o ser humano afasta-se da centralidade de Deus, e assume a sua própria centralidade e tenta conquistar a sua onipotência. Os itens enumerados por Jung, nada mais são do que degraus para que o ser humano dentro da sua alienação tente alcançar a infinitude, ou seja tente alcançar a sua própria deificação. Tillich(2) afirma: 

“Todos os seres humanos alimentam o secreto desejo de serem como Deus e todos agem de acordo com isso em sua auto-avaliação e auto-afirmação”.

É quando o ser humano tenta se auto afirmar através das suas conquistas para suprir a sua necessidade de infinitude que ocorre a sua alienação.

Esta necessidade de infinitude aponta para Deus, que é eterno, e do qual devemos participar. Não é possível preenchermos esta angustia de outra forma, alias todas as outras formas são destrutivas e alienantes ao ser e por isso “demoníacas”.



----------------------------------------------------------------------------------

1-Jung, C. G. Psicologia e Religião Oriental, Ed.Circulo do Livro, pg 15

2 -Tillich, Paul Teologia Sistemática, Ed. Sinodal/ EST, 5ª Edição Revisada, pg 345

A Igreja e o Corpo de Cristo...


Hoje muitas pessoas perguntam quem precisa da igreja, para que ela serve? Não posso ser um bom cristão sem participar de uma igreja?

Será que sabemos qual a função da Igreja? Qual o seu papel no mundo contemporâneo?

Se nos olharmos para os evangelhos e depois para o livro de atos, nos podemos ver a formação de um grupo de pessoas que inicialmente tinham ouvido a palavra de Jesus, que se reunião a volta dele onde ele estava, e ali ouviam suas mensagens e ensinamentos.
Jesus mesmo enviou seus discípulos para levarem a palavra de Deus, e isso dificilmente era feito individualmente, mas sim através de grupos reunidos.

A palavra Igreja no original grego é ekklesia que por sua vez tem origem no termo ek-kaleo, que se empregava para a convocação do exército para reunir-se, mas ekklesia passou a ter o significado de reunião de assembléia do povo de uma polis, cidade.
Os escritores sagrados empregam esta palavra para designar uma comunidade que reconhece o Senhor Jesus Cristo como supremo legislador, e que congregam para adoração religiosa, Mt 16: 18; 18: 17; At 2: 47; 5: 11; Ef 5: 23, 25.

Está comunidade então que se reúne para professar sua fé, e vive-la de forma completa, podemos chamar então de corpo de Cristo.

Hoje podemos falar de igreja praticamente de 4 formas:

1 - Todo o povo de Deus pelos séculos
2 – Comunidade local do santos (A igreja Primitiva)
3 – Todo o povo de Deus de Determinada época ( em um determinado momento histórico), a igreja chamada Universal.
4 – A Igreja dentro da Igreja

Pudemos perceber um pouco do desenvolvimento natural que a igreja sofreu, claro que não se pretende aprofundar este desenvolvimento em um espaço tão curto, mas deixar claro que na verdade a igreja nunca deixou de ser um ajuntamento, uma reunião de pessoas, mas não uma simples reunião há um objetivo e um sentido nesta reunião, este ajuntamento é de pessoas que professam a mesma fé, que compartilham, congregam, e louvam a Deus.
E dentro desta ekklesia, desenvolve-se a vida cristã, e um dos aspectos da vida cristã é o serviço cristão, a Igreja desde o seu principio foi paulatinamente se estruturando até chegarmos ao que temos hoje, uma igreja com departamentos, estruturas e funções...
De forma alguma isto é errado, a sua estrutura e divisão visa a sua maior eficiência, temos exemplos disso no livro de atos e nos evangelhos, isto deixa-nos claro John Stott, quando afirma[1] : “A comunidade cristã é o cuidado cristão, e o cuidado cristão é o compartilhamento cristão”.

A igreja tem em seu cerne propagar a palavra de Deus, o Evangelho e de ser Sal e Luz em uma sociedade envolta em trevas.

Também há outro fator de extrema importância quando falamos em Igreja, é ela responsável por guardar os princípios da fé. Está é uma responsabilidade de extrema importância, que a igreja protestante tem deixado passar sem muita reflexão. 

Então podemos dizer que a finalidade da Igreja pode ser dividida em Adoração, Edificação do corpo e Misericórdia, entendendo que o conceito usado aqui de misericórdia vai além do simples assistencialismo, mas o que envolve todo o conceito de missão integral.

Em uma época em que o conceito de Igreja tem sido tão deturpado, sendo utilizada como meio de alcançar poder e riqueza, temos a responsabilidade de vivermos igreja, a igreja naquele sentido mais puro, ouvir, viver e transmitir o Evangelho.


[1] Stott, John R. - A mensagem de Atos. Pg 89 – Ed. ABU

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Os ranços de Caio Fábio

Sempre tive uma admiração pelo Caio Fábio, acho que ele foi descartado pela Igreja de forma bem injusta, e isto é fato. Porém em várias outras falas do Caio já notava que ele nunca conseguiu se libertar do passado, ele ainda tem um ranço com o que aconteceu com ele e da forma como foi tratado, isto também me parece notório. 

Porém penso que ele prestou um grande desserviço a Igreja de Cristo na sua ultima entrevista no programa do Danilo Gentíli... Não vou comentar sobre o nível do programa ou da capacidade do Danilo como entrevistador, este é um outro problema. Voltando ao Caio, avalio que ele cometeu no mínimo grandes equívocos na sua fala, primeiro chamou todos os evangélicos de burros, o que foi amplamente aproveitado pelo apresentador (ex-evangélico aliás...) deixando subentendido que o indivíduo ao se denominar evangélico fica burro... generalizou de forma absurda uma opinião pessoal... se existe problemas de capacitação intelectual, esta é muito mais profunda vem da falta de educação e cultura de forma geral e não especificamente dos evangélicos. 

Este sistema que ele criticou, e que merece críticas sim, mas talvez não da forma como ele colocou, ele também participou, teve o seu "endeusamento" e colhia os louros e vantagens disso e cá entre nós saiu quando não tinha como ficar... Não quero desmerecer de forma alguma o passado do Caio Fábio que influenciou positivamente muitas pessoas, mas antes de cuspir no prato que comeu deveria fazer um "mea culpa"... 

Entre tantos absurdos que ele falou, talvez até de forma ingênua, ou por voltar a sentir os holofotes e aplausos, teve um ponto que me incomodou... além de relativizar as Escrituras ele relativizou um abuso que teve quando criança, falando de uma menina que trabalhava na sua casa e mantinha relações com ele, na época que começou ele tinha 5 anos e ela 15...falou desses abusos que duraram 2 ou 3 anos de forma prazeirosa, e que o dia em que descobriram e mandaram a empregada embora ele chorou copiosamente... mais que se tivesse perdido um primogênito!!!! Penso que o Sr. Caio causou um problema para muitas crianças e minimizou a ação do abusador....bom veja o vídeo e deixe seu comentário....

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Inversão de valores, o projeto de desconstrução de uma sociedadde.

Vivemos um momento na sociedade de uma total subversão dos valores constituídos, o que era certo agora é errado e o que era errado talvez passe a ser certo. Claro que nenhuma ética ou moral está isenta da crítica e discussão, e se seus fundamentos não se mostrarem sólidos, uma nova concepção deve ser construída ou melhorada a forma original. 

Porém o que observamos hoje são conceitos e procedimentos aceitos ou impostos sem a mínima discussão ou avaliação mais profunda. Perdemos os referenciais, alunos recém acolhidos na vida acadêmica são munidos de autoridade para julgar seus professores e se necessário distituí-los de autoridade inclusive com apoio de seus pais. Cabe ao professor avaliar se é mais prudente agradar o aluno (seu cliente) ou agir de forma a tentar construir o saber. Diga-se de passagem que a opção de agradar o aluno é mais fácil e tranquila, mesmo porque a consequência de um aluno feliz mas despreparado geralmente vai aparecer anos depois de sua formação, causando estragos em outros locais, já distante da academia e da responsabilidade do professor. 

Outra arma na desconstrução da sociedade contemporânea foi criada agora, a lei da palmada. É a derradeira intromissão e regulação do Estado na vida cotidiana do cidadão. O Estado aliado a personagens de profunda capacidade intelectual e de moral inabalável, praticamente destitui o pátrio poder, sendo agora os pais meros tutores dos seus filhos.

Será que alguém em seu juízo perfeito pensa que está lei, caso existisse anteriormente teria impedido os crimes contra crianças e adolescentes por parte de seus pais que presenciamos nos últimos anos? Ora já temos uma legislação que se propõe a tratar de violência contra a criança, inclusive criminalmente, esta ai o ECA e leis criadas para a proteção de menores. 

A lei da palmada não pretende proteger a criança, mas apenas subverter a autoridade na família, criando ainda mais conflitos. O texto da lei fala de castigos físicos e constrangimentos e define estes termos desta forma: 

I - castigo físico: ação de natureza disciplinar ou punitiva com o uso da força física que resulte em sofrimento físico ou lesão à criança ou ao adolescente;

II - tratamento cruel ou degradante: conduta ou forma cruel de tratamento que humilhe, amece gravemente ou ridicularize a criança ou o adolescente.

Ou seja você não pode mais dar uma palmada no seu filho ou chamar sua atenção quando ele fizer algo errado. Quanto tempo vai demorar para os filhos estarem denunciando seus pais por constrangimento frente aos seus colegas????

Pronto está feito alunos mandam nos professores, filhos mandam nos pais, toda a frágil corrente de educação está desfeita. 

Bem vindos a nova era das trevas. 

PS. : Vale a pena ler o texto do Reinaldo Azevedo no blog da folha sobre este assunto: 

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/uma-lei-com-a-idade-mental-do-xou-da-xuxa-e-a-idade-moral-do-stalinismo-ou-do-fascismo/


segunda-feira, 26 de maio de 2014

A Necessidade de Mudanças... Urgente.


Vivemos uma época de limites, estamos a beira do abismo. Estas não são declarações específicas minhas mas de pensadores de renome como Edgar Morin, Hans Jonas, Balman, e vários outros.


Mas como efetuar estas mudanças? Temos muitas avaliações teóricas mas pouca prática, e o que é posto em prática se mostra muito lento e de resultados pífios em comparação com a avidez do sistema constituído.

Não se engane vivemos uma guerra, poucos são os que se dão conta disto. E o campo de batalha desta guerra é constituído de tríplice forma, passa pela aliança Política-Econômica-Ética/Cultural, sendo que o regente é o sistema Econômico/Financeiro.

Qualquer tentativa de mudança das estruturas de nossa sociedade passa obrigatoriamente pela formação de uma aristocracia (entenda o que quero dizer com isso) Política-Econômica-Social, comprometida com valores diferentes dos que regem a atual sociedade, isto é, por uma visão de uma humanidade mais centrada nos valores fundamentais para o desenvolvimento coletivo/individual e pela preservação de uma vida humana autêntica. 

Este plano de mudança social deve ocorrer em dois planos, primeiro na formação desta aristocracia moral, que devera ocorrem em forma de uma sociedade com seus propósitos bem definidos e delimitado, falo aqui claramente em assumir o poder democraticamente constituído, através de ações políticas, econômicas e influência moral-cultural.

Em paralelo com a educação desalienante, isto é, a formação de indivíduos educados além da educação tecnica, mas com profunda educação moral e ética. 

Estes são são os fundamentos básicos para o início de qualquer ação que deseja mudar o mundo. Um novo mundo é possível apenas se agirmos a curto prazo. 

Pacem et Libertatem - LS - VW

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Superficialidade é tudo....

Quando me deparei com um link cujo o título era Bioética marxista? Sim, na UnB isso existe! fiquei muito muito interessado, como pesquisador em bioética gosto de avaliar todas as suas possibilidades e formas de abordagem a problemas, mas como estava sem tempo apenas postei o link no meu facebook para ler a reportagem posteriormente. 

Qual foi a minha decepção ao ler o "artigo" do colunista Rodrigo Constantino da Veja.... a tal coluna se intitula "Análise de um liberal sem medo de polêmica", bom polêmica foi feita, porém análise nenhuma. 

Toda a crítica superficial e sem fundamento, se baseou no título da conferência na UnB que era: "Pensando Bioética a partir de Karl Max", uma conferência seguida de um debate que ao todo estava programada para três horas. Bom pessoalmente não tenho condições de falar sobre o que se explanou na conferência e tampouco qual foi o resultado do debate, pois não estava presente, coisa que o colunista também não comentou, e creio que também não estava presente na tal conferência, e este é o fato que me deixou indignado.

 Toda a crítica do texto, aliás em que metade do espaço é tomado pela foto do cartaz da conferência (veja a reportagem AQUI, ) não versa sobre o que foi falado ou discutindo na tal conferência, não há nenhuma citação sobre que tipo de conceitos ou avaliações da bioética a partir de Karl Max foi feita. Como se citou Karl Max o Sr, Rodrigo simplesmente saiu atacando a UnB, a palestra e até questionando  o conferencista de forma ríspida. 

Ora, esperava ver uma discussão de idéias com argumentações e críticas bem fundamentadas, que gerasse um debate, inclusive com direito de resposta por parte do palestrante, o que seria muito saudável, inclusive para o crescimento da bioética, mas infelizmente isto não ocorreu, o que figurou foi apenas um ataque sem sentido ao título de uma palestra.... simplesmente ridículo. 

Pior ainda os comentários dos leitores na sua esmagadora maioria apoiando o colunista e também destilando seu veneno sem base de discussão nenhuma. Quero em primeiro lugar deixar claro que não sou Marxista, porém creio que a democracia se faz com o livre embate de idéias, bem fundamentadas e discutidas, não impostas ou preconceituosamente julgadas. 
Fica aqui a minha crítica a uma crítica que não tem sustentação nenhuma a não ser o do pré-conceito. 

É triste perceber que a superficialidade de idéias e debates é a regra em nossas terras, pior é que esta superficialidade está trazendo uma nova idade das trevas, apesar da abundância de informação. A grande maioria das pessoas funcionam como replicadoras (papagaios) que repetem conceitos e idéias sem uma simples avaliação. 

Eis o mundo em que vivemos. 

Pacem et Libertatem - LS - VW

terça-feira, 1 de abril de 2014

O feto é nada......

Qual o problema? São considerados menos que nada... extirpados muitas vezes sem piedade...Este é o resultado de uma sociedade que escolhe andar por seus relativizados estatutos morais, onde a primeira regra é a minha satisfação pessoal, hedonista e hipócrita.
Flexibilizo os conceitos éticos para que as pessoas possam fazer o que querem fazer, da forma como querem fazer... Quer abortar? Sem problema o feto não é uma pessoa... vc é dona do seu corpo... Estamos provocando um holocausto com milhões de abortos por ano... Lamentável o caminho que estamos trilhando... talvez quando tomarmos consciência do que estamos fazendo seja tarde demais para o arrependimento.....

Leia a matéria abaixo e fique estarrecido.....

segunda-feira, 24 de março de 2014

Inquietações sobre o futuro...



Nos últimos 100 anos a ciência sofreu uma profunda mudança em suas características. Passou de um exercício de poucos, normalmente de âmbito solitário e de descobertas que poderiam impactar a sociedade mas de forma geral não traziam grandes problemas. 

Mas este cenário mudou drasticamente, a ciência se institucionalizou, se profissionalizou e tornou-se condição importantíssima para o desenvolvimento da humanidade. 

Penso que consciência da importância e dos riscos, seja pelos desmandos dos centistas ou pela aplicação das descobertas, se deu na segunda grande guerra. Foi o acontecimento do século passado em que mais se utilizou o desenvolvimento de ciência e tecnologia para fins bélicos, mesmo das ciências ditas como teóricas. 

Temos do desenvolvimento de computadores para criptografar mensagens, ao desenvolvimento da armas de destruição em massa (bomba atômica) passando pelo desenvolvimento de mísseis balísticos e experiências médicas com seres humanos em campos de concentração. 

Estas tecnologia usada para o esforço de guerra provou que a ciência e a tecnologia iriam mudar radicalmente a forma como as guerras seriam conduzidas deste ponto em frente. 

A bomba nuclear originou-se de ciência pura, ao se verificar que a matéria poderia ser transformada em energia e que a desintegração de um átomo liberaria uma grande quantidade de energia, deu-se o primeiro passo para a construção da bomba atômica, mesmo que em nenhum momento da pesquisa houvesse este direcionamento, talvez pela ingenuidade que a própria ciência tinha das suas consequências. 

Porém hoje vivemos sob o risco de uma destruição total, pela quantidade de armamentos nucleares que existe, de toda a humanidade e da vida neste planeta. 

A ciência e a tecnologia não são mais ingênuas, ou pelo menos não podem se dar mais a este luxo. Existem sérias implicações em suas descobertas, talvez mais do que pode-se perceber em um primeiro momento, por isso a reflexão ética deveria fazer parte em todo o processo de construção de alguma pesquisa científica. Mas esta consciência deve nascer na comunidades cientifica como auto regulamentação, o que parece muito difícil de se conseguir, a máxima de que deveríamos perguntar de que, mesmo podendo fazer determinado procedimento científico, devemos? leva a um patamar ético que leva em consideração os grandes riscos que a ciência pode trazer atualmente. 

Na atualidade estes riscos são mais claramente observados em algumas áreas da ciência e tecnologia tais como biotecnologia, pesquisas em inteligência artificial, robótica avançada. Normalmente estas áreas acenam com desenvolvimentos fantásticos que proporcionaram à humanidade um avanço na qualidade de vida e na felicidade em geral, afinal para que deveria existir a ciência senão para isso?, mas esconde-se a outra face, os grandes riscos que estas tecnologias também podem acarretar.

Isto é justo? Quem decide se queremos que estas pesquisas continuem? Até onde deve ir a autonomia dos cientistas? Estas questões são profundamente importantes, mas pouquíssimas pessoas estão se debruçando sobre elas, e menos ainda são as que pressionam os governos para que haja um olhar mais de perto destas pesquisas.

segunda-feira, 3 de março de 2014

Consumidor Gospel....

Eis uma palavra que define muitas coisas hoje : Consumidores Gospel. O consumidor gospel é aquele que consome o cristianismo de acordo com as regras do mercado neo-capitalista hedonista atual. Isto é, o evangelho deve ser disponibilizado de uma forma que atenda as demandas e desejos do mercado consumidor. As igrejas são os shopping center que muitos "crentes" vão dar um rolezinho para ver se há algo que lhes agrada.

domingo, 2 de março de 2014

Sedação Paliativa

Estamos evoluindo muito no entendimento dos procedimento e processos de pacientes em estado terminal, principalmente no que trata de cuidados paliativos. O artigo do observatório de bioética apresenta mais uma opção com relação a cuidados paliativos que é a sedação paliativa para pacientes que estejam com profundo desconforto com relação a dores e próximos da morte. Não se trata absolutamente de eutanásia, mas apenas da diminuição do nível de consciência a fim de evitar sofrimento inútil.

 Claro que este procedimento deve seguir algumas regras, inclusive com relação a respeitar o desejo do próprio paciente e principalmente nunca ser utilizado com o intuito de aliviar o sofrimento emocional dos parentes. O texto é bem interessante e entendo que é uma técnica que pode sim ser usada a fim de minimizar um sofrimento sem sentido. Vale a pena ler o texto no link abaixo. 

Outro ponto que gostaria de deixar registrado é que a sociedade brasileira deveria discutir com um pouco mais de profundidade a questão da eutanásia ativa, quando há a livre e esclarecida solicitação do paciente. Outros países tem aprovado a eutanásia em determinadas situações e por aqui há pouca discussão do assunto, que é quase um tabu. Tenho um pequeno artigo que trato deste assunto e vou disponibiliza-lo após fazer uma revisão. 

http://www.observatoriobioetica.org/2014/02/sedacion-paliativa/

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Transhumanismo um risco não tão distante.

A filosofia transhumanista está ganhando cada vez mais espaço, principalmente dentro de universidades e centros intelectuais. Este conceito radical de mudança do ser humano implica em grandes riscos,  principalmente quando se fala de conceitos que devem modificar o entendimento do que é o ser humano. 

A aplicação dos ideais transhumanistas nos transformará em algo diferente do humano atual, seremos outra coisa, pelo menos alguns... o que potencializa o risco. Já faz algum tempo que me dedico a pesquisa dos conceitos e consequências desta corrente de pensamento. Estas idéias podem parecer ficção científica ou loucura, mas posso garantir que não é, e que cada dia estamos criando tecnologias que nos aproximam das idéias difundidas por este grupo. 

Recentemente foi criado mais um grupo de estudos sobre o transhumanismo : o Biops - British Institute Posthuman Studies - http://www.biops.co.uk/, que visa apresentar e debater os conceitos e implicações do transhumanismo. 

Outro site, que defende o transhumanismo, é o 2045.com. 

Há outras várias iniciativas para o estudo do transhumanismo e para sua implantação, inclusive envolvendo empresas de grande porte e, claro muitas grandes corporações que trabalham com a internet.

Os ideais transhumanistas mexem profundamente com conceitos filosóficos, teológicos e religiosos. A grande maioria das pessoas não entendem os graves riscos que existem nestas idéias. 

Se você ou sua instituição desejam conhecer mais sobre este assunto entre em contato para agendar uma palestra. 




quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Superficialidade dos fatos....


Esta semana foi amplamente noticiado a tragédia que vitimou o repórter cinematográfico Santiago Andrade. O acontecimento repercutiu em âmbito nacional, e é profundamente lamentável que este fato tenha ocorrido. 

Mas o que gostaria de analisar brevemente é a amplitude que este evento tomou. Novamente me coloco do lado daqueles que lamentam o ocorrido e solidarizam-se com a família do repórter, todos devemos sim, nos revoltar com o ocorrido neste triste acidente. Digo acidente porque penso que é o que possivelmente devem alegar os advogados dos dois rapazes, não havia intenção de matar ninguém, e acredito realmente nisto, não penso que o rapaz que levou o rojão tivesse especificamente com o intuito de matar alguém naquela manifestação, tampouco penso que esta era a intenção do rapaz que acendeu o dito objeto. 

É claro que ambos, tanto o rapaz que levou o foguete quanto o outro que acendeu-o assumiram o risco de eventualmente causarem danos em alguém ou até em uma situação extrema levar a morte. E não é isso que ocorre todos os dias com motoristas embriagados que matam centenas, ousaria dizer até milhares, de pessoas todos os anos no Brasil? 

Também assumem o risco de matar, diria um risco muito maior do que de um rojão, e matam famílias inteiras.... E tomamos ciência destes acontecimento em alguns minutos em um noticiário, e não raramente o causador do acidente responde em liberdade e em muitas situações sequer chega a ser responsabilizado.... Os dois rapazes que cometeram esta atrocidade foram presos de forma extremamente rápida pela nossa polícia, chegaram aos dois em questão de dias, a mídia eficazmente ajudou na identificação dos mesmos e, após localizados já foram colocados no sistema presidiário.  

Penso que esta ação rápida e eficiente da polícia e da mídia servirá para desencorajar outros manifestantes de assumirem o risco de levarem tais artefatos em manifestações públicas. 

Será que se, para todos os outros crimes e delitos houvesse tamanha eficiência policial e midiática não teríamos menos assassinatos por bêbados no volante e outros tipos de crimes? 

Aliás outro rapaz foi morto por policiais na favela porque confundiram uma peça de moto que ele levava com um fuzil....Mas este fato não mereceu mais que 30 segundos de noticiário....

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Natureza e Responsabilidade....

Quanto mais nos afastamos da natureza, menos respeito temos por ela.... Nesta sociedade extremamente urbana e tecnológica o contato com a natureza é quase uma experiência de completa alienação...Quantas crianças viram uma vaca? O leite é tirado diretamente das caixinhas.... é de onde vem o leite...claro que com o passar do tempo a criança vai entender que o leite vem da vaca.... mas mesmo assim este será um ser exótico e desconhecido....e de pouca importância ela ( a vaca) já foi desconstruída....e com alimentação cada vez mais industrializadas e menos naturais, esquecemos que somos dependentes da natureza, é graças a ela que estamos vivos. A mãe natureza agora está em um distante asilo, em que as vezes a visitamos no formato de parques, mas não ouvimos a sua voz, não olhamos o seu rosto e não sentimos seu perfume, vamos devidamente aparelhados para nos isolar de seus apelos e ao irmos embora de  pouco nos lembramos dela... novamente mesmo procurando seu aconchego a usamos como fim e não como meio..... lamentável. 

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Eutanásia - Senado Belga aprova eutanásia em crianças.

Veja reportagem no link abaixo:

Senado belga aprova eutanásia para crianças sem limite de idade - Mundo - Notícias - RTP

Este assunto é sempre muito controverso, mas, a princípio não vejo que a eutanásia, em casos específicos e bem esclarecidos, seja algo que não se deva levar em consideração. Ainda devemos realizar um amplo debate para entendermos todas as implicações, morais, éticas, religiosas e humanitárias que a eutanásia gera. Porém penso que não há dignidade humana também em manter um organismo vivo, por meios artificiais de forma indefinitiva, isto é um prolongamento do processo de morrer.