domingo, 21 de agosto de 2016

Transhumanismo e o destino da humanidade...

Tenho escrito e pensado muito com relação ao transhumanismo, de uma forma geral em bioética trabalho com a linha de pesquisa de tecnologias emergentes, que apresentam impactos para a humanidade e que podem também ser apropriadas para a ideologia transhumanista. 

Falo ideologia já que  entendo ser , sim, uma construção ideológica, uma forma de entender a vida. Não partilho das concepções ideológicas deste grupo, e nos meus escritos apresento em primeiro plano as questões problemáticas que esta ideia pode acarretar, e boa parte dos pesquisadores partilham da opinião de que deve-se, no mínimo, avançar com muito cuidado nesta área. Porém o desenvolvimento tecnológico apresenta cada dia mais opções que podem transformar esta visão, da auto-evolução humana em realidade. A reflexão sobre este assunto deve ser direcionada para a avaliação de que forma isto pode ocorrer, uma vez que entendo que este processo, mais radical, já foi iniciado. 

Creio que está junção entre o desenvolvimento técnico-tecnológico que até hoje foi sendo apropriado pelo indivíduo como auxílio externo será incorporado a curto prazo internamente, tanto pelas novidades apresentadas pela biotecnologia quanto pela tecnologia da informação, assim teremos a união do biológico natural, com o biológico manufaturado e tecnológico. 

Desta forma o humano transporá a ultima barreira da manipulação : a própria natureza humana. Entraremos então em uma nova e radical era, apesar que de uma certa forma isto já vem acontecendo desde sempre, mas não nos níveis em que a biotecnologia irá nos proporcionar. 

Como compreendo que este fenômeno é inevitável, cabe a ação de que este ocorra de forma a produzir o melhor benefício possível para a maior parte da humanidade, principalmente para aqueles que não poderão dispor destes avanços. 

Para ler mais :


sábado, 6 de agosto de 2016

Reflexões sobre a vida....

É claro que não podemos deter o controle da vida, ela não está absolutamente de forma total em nossas mãos. Somos reféns da biologia, acaso, das imposições sociais e da psique, mas é, ainda assim, nosso dever tentar manter o maior controle possível.
Mas não confunda isto com o simples acumulo de poder, não isto não significa, absolutamente, que tenhamos o controle da vida, ao contrário, muitas vezes o excesso e acúmulo de poder acarretam na perda do controle e do desejo de viver.
Concordo com Nietzsche que a doutrina do eterno retorno é um bom parâmetro para avaliarmos a forma pela qual desejamos viver, mas que também não é garantia que seja, da maneira como avaliamos nossa vida hoje, parâmetro para sempre. Como entidades biológicas estamos sujeitos à mudanças físicas que podem e normalmente acarretam em mudanças psicológicas. O que faz com que percebamos que estamos sempre em processo de mudança, aceitar isso é um bom começo.
Desta forma a vida tem de ser observada a partir do platô em que nos encontramos, o momento mais importante é o momento atual, é o presente, uma vez que o passado não se mostra confiável, justamente pelo engano que nosso cérebro pode nos conduzir, i.e., apresentar percepções e lembranças que não são de fato às vivenciadas na época. E o futuro , bom este também apenas se apresenta como expectativa e esperança, que como tal sempre será esperança.
Então para se tentar viver uma vida satisfatória há de se investir por viver momentos presentes satisfatórios. A minha tentativa de construir um futuro a partir das minhas experiências presentes pode ser tentado mas não é garantia de que será de fato como pensamos hoje, ou que de fato satisfará este eu futuro.
A primeira exigência é: Encontre-se consigo mesmo e aceitar a transitoriedade da vida.