sábado, 19 de maio de 2007

A Igreja como corpo de Cristo e suas finalidades

Hoje muitas pessoas perguntam quem precisa da igreja, para que ela serve? Não posso ser um bom cristão sem participar de uma igreja?

Será que sabemos qual a função da Igreja? Qual o seu papel no mundo contemporâneo?

Se nos olharmos para os evangelhos e depois para o livro de atos, nos podemos ver a formação de um grupo de pessoas que inicialmente tinham ouvido a palavra de Jesus, que se reunião a volta dele onde ele estava, e ali ouviam suas mensagens e ensinamentos.

Jesus mesmo enviou seus discípulos para levarem a palavra de Deus, e isso dificilmente era feito individualmente, mas sim através de grupos reunidos.

A palavra Igreja no original grego é ekklesia que por sua vez tem origem no termo ek-kaleo, que se empregava para a convocação do exército para reunir-se, mas ekklesia passou a ter o significado de reunião de assembléia do povo de uma polis, cidade.

Os escritores sagrados empregam esta palavra para designar uma comunidade que reconhece o Senhor Jesus Cristo como supremo legislador, e que congregam para adoração religiosa, Mt 16: 18; 18: 17; At 2: 47; 5: 11; Ef 5: 23, 25.

Está comunidade então que se reúne para professar sua fé, e vive-la de forma completa, podemos chamar então de corpo de Cristo.

Hoje podemos falar de igreja praticamente de 4 formas:

1 - Todo o povo de Deus pelos séculos

2 – Comunidade local do santos (A igreja Primitiva)

3 – Todo o povo de Deus de Determinada época ( em um determinado momento histórico), a igreja chamada Universal.

4 – A Igreja dentro da Igreja

Pudemos perceber um pouco do desenvolvimento natural que a igreja sofreu, claro que não se pretende aprofundar este desenvolvimento em um espaço tão curto, mas deixar claro que na verdade a igreja nunca deixou de ser um ajuntamento, uma reunião de pessoas, mas não uma simples reunião há um objetivo e um sentido nesta reunião, este ajuntamento é de pessoas que professam a mesma fé, que compartilham, congregam, e louvam a Deus.

E dentro desta ekklesia, desenvolve-se a vida cristã, e um dos aspectos da vida cristã é o serviço cristão, a Igreja desde o seu principio foi paulatinamente se estruturando até chegarmos ao que temos hoje, uma igreja com departamentos, estruturas e funções...

De forma alguma isto é errado, a sua estrutura e divisão visa a sua maior eficiência, temos exemplos disso no livro de atos e nos evangelhos, isto deixa-nos claro John Stott, quando afirma[1] : “A comunidade cristã é o cuidado cristão, e o cuidado cristão é o compartilhamento cristão”.

A igreja tem em seu cerne propagar a palavra de Deus, o Evangelho e de ser Sal e Luz em uma sociedade envolta em trevas.

Então podemos dizer que a finalidade da Igreja pode ser dividida em Adoração, Edificação do corpo e Misericórdia, entendendo que o conceito usado aqui de misericórdia vai além do simples assistencialismo, mas o que envolve todo o conceito de missão integral.

Em uma época em que o conceito de Igreja tem sido tão deturpado, sendo utilizada como meio de alcançar poder e riqueza, temos a responsabilidade de vivermos igreja, a igreja naquele sentido mais puro, ouvir, viver e transmitir o Evangelho.



[1] Stott, John R. - A mensagem de Atos. Pg 89 – Ed. ABU

Qual a resposta cristã para a crise ambiental?

A reflexão teológica e as concepções históricas do pensamento cristão estão constantemente passando por reflexões, transformações, reinterpretações e contextualizações da mensagem dos Evangelhos. Estas constantes reinvenções teológicas normalmente se estabelecem dentro de um contexto histórico-social, onde o pensamento e o conceito de sociedade conceito de sociedade merecem e/ou de uma interpretação cristã da realidade e que deve ser feita de maneira critica e criteriosa, não necessariamente dogmática, mas dialeticamente cristã.

A grosso modo dividi em 5 grandes temas em que seria possível a inferência teológica :

- Ética

- Capitalismo (não como objeto de estudo da economia, mas seus reflexos no pensamento e ação do indivíduo e suas conseqüências sociais.)

- Existencialismo - a questão do ser.

- A ontologia

- O Ser de Deus.

Apesar de que em menor ou maior grau (salvo alguns itens) todos podem ser relacionar e algumas vezes correlacionar. Há um tema que sempre foi objeto de alguma preocupação da minha parte e transpassa a todos os demais.

A crise ambiental pelo qual estamos começando a passar é antes de tudo um problema ético, com impactos diretos no modelo capitalista moderno, implicando em profundas alterações comportamentais, que pode mudar a forma de entendermos a realidade e claro sendo um problema humano encontraremos reflexos no entendimento do Ser de Deus.

Porém podemos afirmar que está crise é um problema teológico?

Para tentarmos fazer esta ponte podemos dizer que na atual conjuntura, se os índices de aumento da temperatura mundial continuar correspondendo às expectativas dos cientistas, suas conseqüências serão desastrosos para manutenção da vida humana. Desta forma o ser humano, ou melhor, dizendo a humanidade será confrontada com sua possível extinção, ou seja, a destruição de toda a vida no planeta terra, transformando este problema em uma questão existencial com reflexos existencialistas, passando como já havíamos dito por problemas éticos, e também filosóficos e religiosos, além é claro de científicos/tecnológicos, e consequentemente por interrogações teológicas.

Assim sendo penso ter justificado então que este também é um problema teológico, merecendo suas reflexões e opiniões.

Temos aqui uma justificação para utilizarmos as ferramentas e métodos teológicos para examinarmos a questão ecológica, porém falta-nos agora o fundamento bíblico.

É claro que não apresentaremos inferências com relação as questões cientificas, apenas utilizaremos suas conclusões para visualizarmos um quadro mais completo do problema.

O que nos interessa aqui é: 1. entendermos o problema atual (suas causas e conseqüências) . 2. verificarmos se há alguma orientação bíblica com relação ao problema ecológico. 3. definir a posição que o cristão e a igreja deve adotar.

Há um conceito que perpassa todo o discurso de Cristo que é conceito de Basiléia tou theon – que é o reinado de Deus.

A Ecologia e a Bíblia

Mas qual a responsabilidade do cristão com relação a ecologia?

Apenas para fundamentarmos a necessidade e urgência de uma crítica cristã com relação ao descaso com o meio ambiente citamos Gênesis 1.24-31

A CRIAÇÃO DOS SERES VIVOS

24 E disse Deus: Produza a terra seres viventes segundo as suas espécies: animais domésticos, répteis, e animais selvagens segundo as suas espécies. E assim foi.

25 Deus, pois, fez os animais selvagens segundo as suas espécies, e os animais domésticos segundo as suas espécies, e todos os répteis da terra segundo as suas espécies. E viu Deus que isso era bom.

26 E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais domésticos, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se arrasta sobre a terra.

27 Criou, pois, Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criaram.

28 Então Deus os abençoou e lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se arrastam sobre a terra.

29 Disse-lhes mais: Eis que vos tenho dado todas as ervas que produzem semente, as quais se acham sobre a face de toda a terra, bem como todas as árvores em que há fruto que dê semente; ser-vos-ão para mantimento.

30 E a todos os animais da terra, a todas as aves do céu e a todo ser vivente que se arrasta sobre a terra, tenho dado todas as ervas verdes como mantimento. E assim foi.

31 E viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom. E foi a tarde e a manhã, o dia sexto.

A palavra em evidência aqui é dominar que significa em hebraico

radah

1) governar, ter domínio, dominar, submeter

1a) (Qal) ter domínio, governar, subjugar

O primeiro termo é governar, em seguida dominar, e em terceiro ponto submeter.

Para entendermos melhor o significado desta palavra vamos aprofunda-las um pouco mais:

Governar: 1. dirigir pais, estado etc. 2. administrar 3. controlar, conduzir 4. orientar-se por 5. cuidar de seus interesses.

Dominar: 1. exercer poder ou influencia sobre (algo ou alguém) 2. estar acima de 3 conhecer (algo) 4. reprimir(-se)

Submeter: 1. (fazer) obedecer 2. render-se 3 tornar objeto de.

Pelos significado que acabamos de enumerar notamos o gral de importância que o significado de submeter tem.

Até a pouco tempo poderíamos olhar o significado de submeter ao de usar os recursos naturais em benefício próprio, ou seja o ser humano tendo a natureza para servi-lo, aos seus desígnios. Bem em parte esta interpretação está correta e até condizente com o que o texto bíblico nos relata.

Porém hoje podemos afirmar que está é uma visão reducionista e egoísta do termo dominar, se entendemos que este conceito está correlacionado com administrar.

Bem aqui temos dois conceitos que aparentemente estão em conflito:

- O primeiro seria o conceito de Deus como providente. Deus como sendo aquele que está sob a direção do Universo. Que tem tudo sob controle.

- Outro é o indicativo de que estamos caminhando para um período de grandes perturbações ecológicas com reflexos na economia, em conflitos (guerras, êxodo etc...) sociais (o sofrimento de grande parte da população), a extinção de grande parte da flora e fauna, e um risco acentuado da extinção do próprio ser humano.

--- Pessoalmente já vivenciei períodos em que este alerta para com relação destruição do ser humano, ocasionado por ele mesmo já ocorreram.

Desde a 2ª guerra mundial, a guerra convencional ( ou seja aquela em que pode ocasionar um dano restrito) deixou de ser a única opção para o desejo de destruição do individuo. No próprio desenrolar da querra foram projetadas construídas armas muito eficientes e com alto grau de desenvolvimento tecnológico (ver Luftwaffe secret projects), as V2, V3 etc.... Mas nenhuma arma deu um poder tão grande ao homem como o advento da bomba atômica, o grau de destruição foi maximizado com o advento da fissão do átomo. Mas não parou por ai, cada vez foram construídas armas com um poder maior, veio a bomba de hidrogênio, e o arsenal mundial destas armas possibilitou que o ser humano a façanha de poder destruir o mundo 5 vezes.

Lembro-me que durante a década de 80, iniciou-se campanhas e debates para a redução do armamento atômico mundial, e em meados da década de 90 saiu um filme intitulado “ O Dia Seguinte”, que relatava um cataclisma nuclear, a maior parte do filme ocorria nas conseqüências para os sobreviventes de uma guerra nuclear. Assim que este filme foi lançado no Brasil fui assistir. Sai do cinema profundamente abalado, com a absoluta certeza que, ocorrendo uma guerra atômica o melhor que poderia me acontecer seria morrer em uma explosão, porque o dia seguinte para os que sobrevivessem seria muito pior.

Bem com o advento da queda do muro de Berlim, e o fim da guerra fria este fantasma de destruição ficou mais brando.

Porém conseguimos criar outro “O aquecimento global”.

Na verdade então quando disse que pontos conflitantes entre a soberania de Deus e os eventos que estão ocorrendo, há um elemento faltante nesta equação, o ser humano. Como vimos no texto bíblico que foi lido, cabe ao ser humano a administração deste planeta.

Não cabe neste momento entrarmos em discussões teológicas com relação aos atributos divinos e o livre arbitro do homem, mas sim nos atermos ao tema objeto desta palestra.

Bem até aqui, creio que consegui fundamentar com certa consistência a relevância teológica que o assunto tem, o que nos possibilita passarmos para o segunda parte :

O que é o efeito estufa? O que o aquecimento global tem haver com isso e qual seu impacto para o planeta terra.

As informações abaixo foram tiradas do site do Estadão – Matéria especial Efeito Estufa.

1 - O que é o efeito estufa?

Alguns gases presentes na atmosfera da Terra, como o dióxido de carbono (CO2), o metano (CH4) e o vapor d’água têm a propriedade de deixar passar a luz do Sol que chega ao nosso planeta, mas de bloquear os raios infravermelhos gerados quando essa luz aquece a superfície. Com isso, a Terra deixa de devolver ao espaço parte da energia que recebe. Esse é o chamado efeito estufa.

2 - E o que há de mal nisso?

Embora um pouco de efeito estufa seja necessário para manter a temperatura da Terra em níveis confortáveis para a maioria das formas de vida – incluindo seres humanos -, a industrialização acelerada, a partir do século 19, vem jogando cada vez mais CO2 na atmosfera da Terra, o que tende a aprisionar cada vez mais calor em nosso planeta.

3 - Isso já aconteceu em algum outro lugar?

No Sistema Solar existe um exemplo de efeito estufa descontrolado: o planeta Vênus, onde a alta concentração de CO2 da atmosfera mantém a temperatura da superfície alta o suficiente para derreter chumbo. Em Vênus quase não existe água, e as nuvens são de ácido sulfúrico. O calor é tanto que, quando chove – ácido – as gotas evaporam antes de tocar o solo.

4 - O que pode mudar ainda neste século?

Embora a transformação da Terra em um novo Vênus ainda não conste nem das previsões mais pessimistas, não seria necessária uma mudança tão radical para que os efeitos do aquecimento global venham a ser prejudiciais para a ecologia em geral e para a humanidade, em particular. Entre as possibilidades levantadas por cientistas, estão o degelo do Oceano Ártico, por volta de 2040, e a transformação de amplas regiões, incluindo a Amazônia, em desertos até o final deste século.

5 - O que se pode fazer a respeito?

O CO2 que chega à atmosfera por atividade humana vem, principalmente, da queima de combustíveis como a gasolina e o carvão. Reduzir o uso desse tipo de energia é importante, mas há controvérsias quanto à melhor forma de fazê-lo: se impondo limites em lei, estimulando o desenvolvimento de novas tecnologias ou adotando alternativas já existentes, como a energia nuclear. Cada idéia tem críticos e defensores.

6 - Onde posso encontrar mais informações?

IPCC
http://www.ipcc.ch

Organização Meteorológica Mundial
http://www.wmo.ch/

Goddard Institute for Space Studies (Nasa)
http://www.giss.nasa.gov/

Hadley Centre
http://www.metoffice.gov.uk/research/hadleycentre/

Greenpeace
http://www.greenpeace.org.br/

Após esta breve explicação podemos passar então para o próximo passo da nossa discussão :

O que podemos e devemos fazer?

Bem como havia dito no inicio desta apresentação o problema ambiental passa pela questão ética, existencial, econômica e teológica.

Primeiramente como cristãos temos que ter uma posição e uma cosmovisão bíblica correta face ao bom uso dos recursos naturais. Hoje a humanidade já utiliza 20% a mais do que o planeta consegue recuperar, ou em outras palavras estamos sim destruindo a nossa casa.

Temos que entender que o modelo econômico atual (falo do capitalismo extremado) é extremamente danoso, não somente para o planeta terra, mas também para o indivíduo, o exesso de consumismo, a idolatria por bens de consumo, o alto grau de competitividade em que somos impelidos está destruindo as mais básicas estruturas de convívio social.

Mas disso tudo podemos tirar uma pergunta, que nos remete a questão ética.

Queremos continuar a história humana? Aqui ainda podemos fazer um complemento: Se queremos, em que níveis de dignidade esperamos que ela continue?

Sempre há uma pequena alternativa salvadora para os detentores do poder, seja financeiro e ou político, é sabido que as populações que sentirão o maior impacto do aquecimento global são as com menores recursos, os prognósticos de guerras e êxodos que possam ocorrer pelo desequilibro ecológico são muito grandes.

Por fim mas como não poderia deixar de ser a pergunta ética nos remete a uma questão teológica:

Nós como cristãos estamos obedecendo a Deus no que tange ao cuidado com o planeta?

E em que grau é essa nossa responsabilidade?

Do arquivo - As crises e os profetas.

Quando olhamos a história de Israel vemos que este povo passou crises tão grandes ou maiores que as vivemos hoje. Em vários momentos da narrativa bíblica podemos constatar toda a sociedade israelita corrompida, desde os altos escalões da administração publica, a começar com o rei, até ao mais simples representante do povo, que ao ver os exemplos da classe dominante assimilava rapidamente os seus conceitos como forma de adaptação e sobrevivência. Mas sempre havia setores da sociedade que não aceitavam tão passivamente esta acomodação a valores antibíblicas que corrompiam a sociedade e afastavam cada vez mais dos planos de Divinos. E quando todos achavam que estavam protegidos pela muralha da indiferença, Deus levantava um profeta para confrontar a sociedade. Muito das exortações destes homens estão gravadas até hoje na Palavra como alerta para o povo. Estes homens imbuídos de uma visão clara e da mensagem de Deus não tinham receio de se levantar e colocar em risco a sua própria vida, sua mensagem era dura e direta.

Hoje vivemos tais crises, o afastamento gradativo e constante dos valores da sociedade dos valores éticos constantes na Palavra de Deus, e parece que todos estão caminhando sem que ninguém os alerte para a proximidade do precipício. Diferente dos tempos bíblicos hoje já não se levantam mais profetas, pelo menos não como os que vemos na Bíblia, grande parte da igreja hoje se acomodou dentro das suas estruturas e estabeleceu seus limites, os profetas do AT não tinham essa limitação alertavam a sociedade sobre todos os seus erros, sejam espirituais ou materiais, falavam da idolatria, falavam da exploração do pobre, falavam da falta de caráter dos seus lideres. Hoje nossas igrejas querem prosperar, querem ser medidas por padrões que imperam na sociedade, já não queremos confrontar os valores do “mundo”, queremos competir com o mundo, queremos nos comparar com o mundo, queremos ser medidos por seus valores, não importa se estão corretos ou não.

Esta igreja é uma igreja morta, vazia, não impera o “não se conformeis”, não é uma igreja profética, até o termo profético ficou desgastado e vazio, apenas palavras de ordem, determinando e exigindo de Deus, o que supostamente seria o direito de seus filhos, a fé foi reduzida à moeda de troca no grande mercado de bênçãos.

Necessitamos urgentemente de líderes com coragem suficiente para apontar os erros da sociedade e, principalmente entre o próprio povo de Deus. Lideres que não tenham receio de por sua cabeça a prêmio, sabendo que “se Deus é por nós, quem será contra nós?”, lideres que tenham a coragem de serem verdadeiros profetas da Palavra de Deus. Já é tempo de se levantar os verdadeiros profetas.

A nossa sociedade clama por mudanças e alternativas ao que se apresenta : violência e indiferença; a igreja foi, é e sempre será agente de mudanças, mas para isso necessitamos de líderes fiéis e comprometidos com o Reinado de Deus.

Evangelho e Aspectos Culturais - Antropologia Missionária.

O evangelho é a revelação de Deus para o homem, ele é a expressão da redenção do homem através da morte e ressurreição de Jesus. É a Palavra de Deus, escrita pelo homem dentro de um contexto temporal e cultural.

Como obra literária está condicionada aos aspectos culturais, literais e temporal, escrita dentro de uma cosmovisão condicionada a cultura Judaica.

Como Palavra de Deus, contém todos os princípios éticos e morais que transcendem a qualquer época e cultura, pois trata-se dos princípios do Reino

O evangelho nesta perspectiva,sempre vai se relacionar aos três dimensões da cultura, Cognitivo, Afetivo e Avaliadores, mas ao mesmo tempo não fica condicionado a estes aspectos, uma vez que o evangelho deve ser separado da cultura humana, ele é transcendente a estes aspectos sendo revelação divina e não expressão humana.

Os aspectos culturais com os quais o Evangelho se relaciona são, mais detalhadamente:

1-Aspectos Cognitivos – Conhecimento, lógica, sabedoria. Trata-se de conhecimentos adquiridos e compartilhados com o grupo ou sociedade. Pode trazer as experiências das pessoas e a compreensão sobre aspectos divididos por este grupo.

2-Aspectos Afetivo (sentimento e estética). Engloba o sentimento das pessoas, suas atitudes e compreensão sobre beleza, alimentos, vestuário, gostos pessoais, bem como a maneira de como se alegram ou sofrem.

3-Aspectos Avaliadores. (valores e fidelidade) – Trata-se de valores pelos quais as relações humanas são julgadas como morais ou imorais, e através das quais teremos comportamentos específicos e escolhas tidas como corretas ou incorretas. Está englobado pelos aspectos do código moral da cultura.

O evangelho deve passar por estes aspectos, uma vez que ele deve ser compreendido com minha razão (Aspecto Cognitivo), ele deve transformar meu interior, mudando meus sentimentos que exerciam influencia negativa (Aspecto Afetivo), deve mudar meus valores éticos (aspecto avaliador), fazendo que tenha um compromisso com os princípios éticos e morais da Palavra.

Muitas vezes a nossa visão da cultura e do evangelho é resultado das nossas percepções, isto é, quando tenho a percepção do evangelho dentro do contexto de uma outra cultura muitas vezes faço uma correlação entre o evangelho e a cultura alienígena, absorvendo traços culturais como sendo a revelação de Deus, desta forma minha percepção do mundo, ou seja, minha leitura daquilo que está sendo apresentado passa pela percepção de certo e errado dentro do contexto cultural em que estou inserido ou dentro da cosmovisão adquirida.

Nossas experiências de vida são como filtros através das quais passo a “ver” e a interpretar novos fatos que me são apresentados. Se dentro da minha experiência de vida, na cultura em que estou inserido o relacionamento entre pai e filho é extremamente autoritário, meu pensamento sobre o relacionamento pai x filho estará carregado de fatores negativos, logo também terei dificuldade de entender a Deus relacionado com a figura de um pai amoroso. Para que tenha um verdadeiro entendimento deste relacionamento tenho que reconstruir o meu pensamento com relação a filiação.

Quando meu estilo de vida está condicionado ao contexto cultural, posso entrar em choque com os princípios bíblicos, uma vez que minha cosmovisão está formada pelo que tenho absorvido como “norma” dentro do contexto cultural em que estou. Desta forma cabe entender que os princípios bíblicos são princípios éticos que são metaculturais e que desta forma propõe mudanças nesta cultura.

Morte do autor e hermenêutica de textos sensíveis

Entendo que a teoria da morte do autor, partindo da desconstrução do texto é a base para o pensamento pós-moderno relativista. Pessoalmente não participo desta convicção de que o sentido do texto seja transferido do autor para leitor/interprete. Claro que posso efeuar a "minha leitura" de um texto, baseado na minha contextualidade, porém desta forma, e ainda mais afirmando a morte do autor, nunca poderia apresentar a validade de um texto em relação ao seu significado original.

É claro que todo texto apresenta "barreiras" na sua interpretação, os textos antigos, estas são ainda maiores, mas estas barrreiras não são intransponíveis, uma vez que posso utilizar todo o ferramental que a exegese e hermeutica apresentam para que eu possa me aproximar do autor e do significado do texto. Não discordo que há textos em que sua interpretação original ficam bastante prejudicadas, em textos religiosos esta dificuldade torna-se ainda maior uma vez que posso ter relatos profecias e visões extremamente simbólicos, mas na maioria dos textos posso ter uma aproximação suficiente para captar, se não integralmente o sentido do texto, pelo menos com uma boa margem de intelegibilidade da intenção do autor.

Como já disse no inicio o perigo de afirma a morte do autor é perder o significado original do texto, relativando a mensagem, é claro que o texto é muitidimencional posso "senti-lo" de várias formas, posso interpretá-lo livremente, mas está interpretação livre não pode ser usada como fundamento para o real significado do texto.

A finitude do ser.

Fazendo a leitura da Teologia Sistemática de Paul Tillich, deparei-me com a questão da alienação como hybris, conceito esse muito profundo e bem explorado pelo autor. Mas o que me leva a escrever é um texto que encontrei no livro de C. G. Jung, “Psicologia e Religião Oriental”, onde Jung faz sua análise comparando os conceitos entre o pensamento religioso Ocidental e Oriental, e citando Kierkegaard, afirma[1]:

“(...) “o homem está sempre em falta diante de Deus”. O homem procura conciliar os favores da grande potência mediante o temos, a penitência, as promessas, a submissão, a auto-humilhação, as boas obras e os louvores. A grande potência não é o homem, mas um totaliter aliter, o totalmente outro, absolutamente perfeito e exterior, a única realidade existente. Se modificarmos um pouco a fórmula e em lugar de Deus colocarmos outra grandeza, como por exemplo, o mundo, o dinheiro, teremos um quadro completo do homem ocidental zeloso, temente a Deus, piedoso, humilde, empreendedor, cobiçoso, ávido de acumular apaixonada e rapidamente toda a espéciede bens deste mundo tais como riqueza, saúde, conhecimento, domínio técnico, prosperidade pública, bem-estar, poder político, conquistas etc. Quais são os grandes movimentos propulsores de nossa época? Justamente as tentativas de nos apoderarmos do dinheiro ou dos bens dos outros e de defendermos o que é nosso. A inteligência se ocupa principalmente em inventar “ismos” adequados para ocultar seus verdadeiros motivos para conquistar o maior número possível de presas.”

Jung faz uma descrição que não há como negar representa o homem moderno ocidental, e o que é pior ainda, muitas vezes parece com o típico evangélico que encontra na acumulação e demonstração destas conquistas como bênçãos de Deus. Mas Jung fala de uma substituição da “grande potencia” pelo mundo ou dinheiro. Apesar dos conceitos diretos ou indiretos não serem em tese os mesmos, não fica difícil de fazermos aqui uma ponte com relação ao conceito de alienação de Tillich, quando o ser humano afasta-se da centralidade de Deus, e assume a sua própria centralidade e tenta conquistar a sua onipotência. Os itens enumerados por Jung, nada mais são do que degraus para que o ser humano dentro da sua alienação tente alcançar a infinitude, ou seja tente alcançar a sua própria deificação. Tillich afirma[2] :

“Todos os seres humanos alimentam o secreto desejo de serem como Deus e todos agem de acordo com isso em sua auto-avaliação e auto-afirmação”.

É quando o ser humano tenta se auto afirmar através das suas conquistas para suprir a sua necessidade de infinitude que ocorre a sua alienação.

Esta necessidade de infinitude aponta para Deus, que é eterno, e do qual devemos participar. Não é possível preenchermos esta angustia de outra forma, alias todas as outras formas são destrutivas e alienantes ao ser e por isso “demoníacas”.



[1] Jung, C. G. Psicologia e Religião Oriental, Ed.Circulo do Livro, pg 15

[2] Tillich, Paul Teologia Sistemática, Ed. Sinodal/ EST, 5ª Edição Revisada, pg 345

sexta-feira, 18 de maio de 2007

O Fim da Inocência.

Houve uma época em minha vida formada de certezas, minha busca intelectual era pautada por literaturas absolutistas, afirmações taxativas, o mundo era branco ou preto, 0 ou 1 não havia espaço para dúvidas, meio termos, incertezas, talvez como produto do modernismo, tinha paixão por ciências exatas e crenças nas afirmações de grandes pensadores

É um tempo que lembro com uma certa saudade, onde o lugar para o cinza, o meio termo, o talvez não existia. Isso representava uma segurança, confiança de que não necessitava me questionar, poderia defender um ponto de vista e pronto.... Poderia chamar de uma época de inocência, mas com o passar do tempo, percebemos que por incrível que pareça não sabemos de tudo, não estamos sempre com a razão, cometemos erros, não somos donos da verdade... e pior aqueles em que nos apoiavam também não deram a ultima palavra, foram questionados, cometeram erros.... Aquilo que muitas vezes chamamos de realidade, não corresponde ao que vemos e que a grande maioria das afirmações ficam agora naquela região cinza, nublada, as certezas já não são tão simples, a realidade ficou complexa.

Hoje quando recebemos uma informação, em qualquer mídia, faz-se necessário questiona-la e questionar-se: que informação é essa? Quem está transmitindo? Quem é a fonte? Qual a ideologia, interesses, conceitos da fonte? Porque está sendo transmitida neste momento? Qual é a minha reação com relação a informação? Qual o meus pré-conceitos com relação a informação? Esta informação pode estar sendo manipulada (de qualquer forma, ênfase em determinada frase que pode destoar do total, imagens manipuladas, interpretação errada?), existe uma contra argumentação? Como esta informação pode alterara minha cosmovisão?

Vivemos em uma época maravilhosa e terrível ao mesmo tempo, a quantidade de informação disponível ao ser humano é fantástico... Tenho acesso a centenas de revistas, jornais, blogs, sites, livros digitais, museus digitais posso expandir minha consciência e inteligência de forma fantástica, ao mesmo tempo posso ser vitima desta variedade de informações, muitas vezes quanto maior a quantidade menor a qualidade, apesar de ter uma gama muito grande de informações, hoje tenho que gastar muito mais tempo no sentido de confronta-las e confirma-las.

Urge conhecermos, mas conhecimento sem sabedoria e inútil, não quero ser manipulado, não quero ser serviçal de sistemas opressores divulgando suas ideologias retrógradas, preconceituosas e irrelevantes, que trabalham para manter o status quo.... É claro que não estou defendendo aqui o relativismo, muito pelo contrário, creio que há verdades, mas somos e vivemos em sociedades mais complexas, múltiplas, realidades em redes... é neste contexto que a verdade tende a ficar manipulável, menos clara....

Jesus ensinou-nos a buscar a verdade, “Conhecereis a verdade, e a verdade os libertará”, quero pedir uma licença exegética para aplicarmos esta frase em todos os aspectos da nossa vida, seja pessoal ou social.

É, o fim da inocência é difícil... Quantas vezes não desejei voltar ao meu mundo simples das certezas fundamentais.... Mas o caminho é sem volta, resta-nos lutarmos para que as realidades voltem a ser mais “reais”, um mundo mais justo, e talvez menos inocente...

O que estive lendo

- Teologia do Cotidiano - Rubem Alves
Muito bom, tem alguns excessos, mas de forma geral é um livro que incomoda, comove e nos faz pensar, principalmente como muitas vezes afastamos Deus do nosso dia a dia.

-- O Monge e o Executivo - James C. Hunter
Sem muitas novidades, mas bom para relembrar certos conceitos e alguns paradigmas.

-- Sementes de Esperança - Jong Mo Sung
Excelente, uma reflexão profunda e coerente sobre a ideologia neoliberal, espiritualidade e utopias.

-- The Malleus Maleficarum (O Martelo das Feiticeiras) - Henrich Kramer e James Spreger
Compêndio de Instrumentos de Tortura e Execução na Idade Média Européia, para quem não acredita do que o ser humano (se podemos chamar essas pessoas de humanos) são capazes de fazer.

Teologia hoje

Como elaborar uma teologia relevante para hoje ? Essa não é uma pergunta facil de responder, mesmo pq necessitamos entender a cultura e seus processos de construção.

Creio inicialmente que a teologia tem que sair do século XV, e entrar no século XXI, penso que há u esforço por parte de alguns teólogos para que isso ocorra, mas a grande maioria prefere o conforto das frases feitas e dos pensamentos já pensados..., tornam-se doutores em repetir o que já foi dito, senhores da verdade, icones das suas denominações, preferindo o conforto da acomodação do que se indispor com as lideranças, ou com o "status quo".

Como teólogo, procuro reler o meu tempo, a minha sociedade pelo prisma das Escrituras, mas sei que para isso necessito despender tempo, esforços e até dinheiro, sim porque livros e revistas não saem de graça...

Para construir uma teologia coesa e relevante para o meu tempo tenho que estar atualizado, saber o que acontece no mundo, entender se o que o homem esta fazendo hoje está coerente com aquilo que Jesus pede de nós. Não somente tenho que entender o que acontece hoje, mas procurar entender onde esse caminho em que optamos hoje vai nos levar amanhã.

Filme - 21 Gramas

21 gramas, Dirigido por Alejandro González Iñárritu. Com: Sean Penn, Naomi Watts, Benicio Del Toro, Charlotte Gainsbourg, Melissa Leo, Clea DuVall, Danny Huston e Eddie Marsan.

Trata-se de um filme muito interessante, desde a forma como é apresentado, com cenas que se misturam, criando uma colcha de retalhos que aos poucos vão formando um todo, em que se acaba percebendo como muitas vezes o acaso cruza vidas díspares.

Mas um dos pontos que me chamou a atenção é o processo de culpa que os personagens principais acabam assumindo. A culpa por um acaso que não lhes cabia impedir, e como este processo lhes desestrutura, todos sem exceções sentem o peso do que aconteceu, desde quem se beneficiou pelo mesmo, é interessante como a culpa pode assumir muitas faces, talvez pelo personagem achar que não merecia outra chance? Ou porque ele merecia viver enquanto outro morria? Ou porque ele deveria compensar por ter essa nova chance?

Mas como teólogo não poderia deixar de ficar impressionado com processo que ocorreu com Jack Jordan, ex-presidiário convertido, que assume um postura cristã radical, antes do acidente que lhe confronta com os fundamentos da fé. Torna-se até perturbador, a pergunta que ele faz, porque Deus lhe deu aquela camionete? Deus não saberia o que iria acontecer? Jack se sente traído, não entende os “propósitos de Deus”, e a culpa o atormenta, a ponto de não conseguir mais se enquadrar na sua antiga vida....

Mas a uma ultima mensagem... o final Paul Rivers, através da sua morte, acaba trazendo vida para os demais personagens... será isso? Acho que a analise não acaba aqui....

terça-feira, 15 de maio de 2007

Estou re-editando o meu blog, em breve estará atualizado.
Agradeço a compreenção
Abraços.